Notícias

Alunos da Rede Sesi/Senai são contemplados com bolsas da Fapeal

Quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Serão dez bolsas de iniciação científica para fomentar inovação e empreendedorismo

Trinta alunos e dez professores das Escolas Sesi Cambona e Sesi/Senai do Benedito Bentes tiveram seus projetos aprovados em edital de bolsas de iniciação científica para inovação e empreendedorismo. Serão dez bolsas concedidas pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (Fapeal) e pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Os estudantes são do 1º e 2º ano do Ensino Médio. Cada um irá receber uma bolsa de R$100,00 mensais, por até um ano, e deverá se dedicar aos seus projetos por pelo menos oito horas semanais, além de obter frequência mínima de 75% nas aulas regulares.

Para a diretora de Educação e Tecnologia do Sesi/Senai, Cristina Suruagy, ser contemplado com bolsas de iniciação científica, ainda na educação básica,  é um privilégio e um feito inédito para Alagoas. “Os professores e alunos receberão uma bolsa para a utilização desse valor em prol do desenvolvimento da sua pesquisa. Isso dá a eles condições de fazer experiências, protótipos e uma maior dedicação para solução dos problemas”, afirmou.

Ela destaca que oportunidades como estas são um diferencial na vida escolar, acadêmica e profissional dos estudantes. “Eles chegam ao mercado de trabalho ou ao ensino superior mais capacitados e preparados para dar os próximos passos na carreira. É uma satisfação imensa ver os alunos das escolas Sesi e Senai de Alagoas em constante desenvolvimento”, ressaltou.

A estudante Andra Mahatsa, de 16 anos, está no 2º ano do Ensino Médio e faz o curso técnico de Administração na escola Sesi/Senai do Benedito Bentes. Feliz com o resultado, ela garante que produzir um projeto de pesquisa foi a melhor coisa que lhe aconteceu. “Foi uma surpresa maravilhosa, saber que todo nosso esforço valeu a pena e que nosso trabalho é recompensado. É uma sensação inexplicável perceber que a ciência não é coisa de outro mundo, que qualquer um que se esforce pode ser um cientista e fazer a mudança na sua cidade”, disse.

Também cursando o 2º ano do ensino médio, só que na Escola Sesi Cambona, a aluna Mariana de Assis Silva, 17, ressalta que participar de um projeto científico mudou sua vida em todos os sentidos. “As orientações recebidas me ajudaram muito na minha vida pessoal e como estudante. Facilitou para que eu pudesse me expressar melhor nas apresentações de trabalho e também ser mais responsável. Além disso, pude ampliar o meu conhecimento sobre o mundo dos surdos, aprendi a escrever relatório, a montar o trabalho com fontes de pesquisa confiáveis”.

A divulgação do resultado aconteceu dia 13 de setembro. As propostas classificadas buscam soluções tecnológicas, com potencial de negócios, para os seguintes produtos e serviços:

  •         tecnologia para auxiliar a educação de crianças autistas e inclusão de surdos;
  •          a estratégia de “telhados verdes”, que são uma solução estética para economia; de energia, aproveitamento da água de chuvas, isolamento acústico e regulação térmica;
  •          soluções de engenharia para construir casas populares e desenvolver revestimentos cerâmicos ecologicamente viáveis;
  •          órteses de material reciclável para auxiliar a locomoção de animais,  a partir de resíduos da indústria de construção civil;
  •          reaproveitamento de casca de laranjas para filtros de água;
  •          produção de biogás a partir de resíduos sólidos;
  •          bueiros sustentáveis;
  •          e até mesmo uma barreira protetora de raios cósmicos em naves espaciais.

Compartilhe: