Notícias

Relix volta a Alagoas para ampliar discussão sobre reciclagem

Segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Desde a primeira passagem pelo Estado, o cenário da cadeia produtiva de reciclagem mudou bastante

Patrocinado pelo Sesi Alagoas, o projeto Relix, que discute a sustentabilidade com ações de arte, educação e tecnologia, volta a Alagoas com o espetáculo Oceano, totalmente aberto ao público. As apresentações estreiam nesta terça-feira, 25, no campinho próximo à Praça Multieventos, na Pajuçara, com sessões às 9h, 10h, 11h, 15h e 16h.

Este ano, o projeto realizará 30 apresentações Oceano, 110 apresentações do Espetaculix (peça original do projeto), além de ter 25 bicicletas ecológicas doadas e a exposição fotográfica reunindo como protagonistas nas fotos mulheres catadoras de Alagoas, Pernambuco e Paraíba.

“O Relix é, primeiro, uma forma de conscientizar as pessoas. Esta ação é posicionada como um ponto de partida para repensarmos a maneira que lidamos com lixo, não só no âmbito coletivo, mas no comportamento do indivíduo e, para isso, é preciso que todos os envolvidos colaborem, formando uma cadeia de pessoas dispostas a promover uma mudança efetiva dentro da nossa sociedade”, destacou Carlos Alberto Pacheco Paes, superintendente executivo Sesi/AL.

Os números do primeiro Projeto Relix no Estado, em 2016, são positivos. Desde a primeira passagem, o cenário da cadeia produtiva de reciclagem mudou bastante. O projeto impulsionou a assinatura do convênio da Prefeitura de Maceió com as cooperativas da capital para dar início à coleta seletiva, até então inexistente, em 11 áreas da cidade.

Essa coleta é feita com os caminhões e com as ecobicicletas doadas pelo Relix. De 2016 para cá, o número de cooperativas legalizadas mais que duplicou. Antes 14, são agora 29 que enxergaram na legalização uma oportunidade para se candidatarem a receber a bicicleta do projeto e que perceberam, com as ações de valorização aos catadores, a importância da união da classe para seu fortalecimento e, consequentemente, da economia verde no Estado.

Alagoas foi o primeiro Estado do Norte/Nordeste e o terceiro do Brasil a fechar oficialmente todos os lixões, atendendo à lei que foi um dos fatores que motivou a criação desse projeto.

"Voltar com números tão positivos que foram estimulados pelo Relix 2016 é animador e desafiador. Voltamos a Alagoas cheios de vontade que esses números cresçam e que o projeto deixe para o Estado a nossa semente mais importante: a consciência da reciclagem”, disse Lina Rosa, idealizadora do projeto Relix.

Oceano

O espetáculo Oceano trata-se de uma provocação artística que leva o espectador à incrível experiência de estar no fundo do mar. E esse mar não deveria estar assim: cheio de lixo e poluição.

O Relix abre a sua extensa programação da nova temporada trazendo, então, o questionamento principal que permeia todo o projeto: por que não cuidamos devidamente do meio ambiente? Oceano, que tem em cena bonecos e atores, fica instalado em uma caixa cênica montada na praia de Pajuçara, no Campinho, com sessões às 9h, 10h, 11h, 14h, 15h e 16h. Cada sessão comporta 100 pessoas e alunos de escolas públicas do Estado serão convidados especiais.

Espetaculix

A chegada do projeto Relix nas escolas públicas do Estado é sempre impactante e marcada pela apresentação do Espetaculix, peça original do projeto que utiliza o teatro de formas animadas, seis atores e muita música para contar de forma lúdica e educativa uma história sobre pessoas comuns que se tornam  heróis da sustentabilidade, despertando o interesse das crianças e jovens pelo tema.

As apresentações são acompanhadas da distribuição de 24 mil Quadrinholix, cartilha parte integrante do espetáculo - ilustrada pelo artista paraibano Shiko, e 50 conjuntos de lixeiras seletivas entregues às escolas.

Dirigido por Osvaldo Gabrieli,  o Espetaculix integra a participação dos atores, bicicletas coletoras, marionetes e sacos de lixo. No enredo, apresentam-se seis personagens principais: Raí Repensalix, Renato Recusalix, Rafael Reduzalix, Raul Reutilizalix, Rita Reciclalix, Ricardo Limpalix e Roberto Catalix.

Marionetes também compõem a dramaturgia: Ronaldo Recolix, Rodolfo Bagunçalix, Rubens Sujalix, Rosinha Egoistalix e o Dragão do Lixo, o Gigantelix.
A escola também fica com uma herança pedagógica para ser aplicada em sala de aula: o Didaticalix: um guia de aplicação pedagógica do Relix., com atividades desenvolvida para público escolar amplo, formado principalmente por alunos do 5º ao 9º ano do fundamental.  O material pode ser acessado em: http://www.projetorelix.com.br/didaticalix.

Relix
A iniciativa multidisciplinar e orgânica, integrada com arte, música, teatro, fotografia, mobilidade, educação ambiental, redes sociais, tecnologia e direitos humanos, circula até dezembro por todo o Estado de Alagoas para alertar sobre a problemática do lixo. O Relix se posiciona como um ponto de partida para repensarmos a maneira que lidamos com lixo, não só no âmbito coletivo, mas no comportamento do indivíduo. Cada pessoa, comunidade ou indústria pode e deve ser sensibilizada para se integrar como agente de reestruturação.

Numa referência ao lixo em latim (lix, significado de cinzas), Relix é Recusar, Repensar, Reciclar, Reduzir e Reutilizar o lixo. Ressignificar transformando o conceito de lixo por meio da arte, relíquias. Para provocar mudanças de comportamento que conduzam a resultados mais eficientes e confirmem o estabelecimento da nova e necessária tendência ao lixo zero (ainda distante, mas é preciso começar). A cada performance cultural, com público formado por estudantes ou trabalhadores da indústria, se constrói uma nova consciência ambiental, na nossa casa, mas também na rua, trabalho, cidade.

Ciclolix
Em cada escola e indústria por onde passar, o Relix também vai expor a Ciclolix, a bicicleta coletora, com resíduo reciclado limpo, que levará o espectador a conhecer, refletir e criar uma nova e adequada consciência sobre a lei do Aterro Sanitário, sobre a importância dos catadores de lixo, sobre a reciclagem, sobre a logística reversa e, sobretudo, a urgente necessidade de redução do lixo gerado por cada indivíduo.

Cada instituição envolvida vai firmar um acordo de colaboração com a cooperativa de catadores mais próxima geograficamente para que o lixo tenha destinação adequada.

Em Alagoas, novas 25 unidades das Ciclolix serão entregues às associações de catadores de todo o Estado. Além disso, os catadores recebem um kit que inclui bolsa,  chapéu com proteção para a nuca e camisa UV para proteger o trabalhador do sol, par de luvas, trava de segurança e bomba de calibragem.

A Ciclolix é uma bicicleta coletora projetada para oferecer maior segurança e otimizar o trabalho do catador de lixo. O protótipo especialmente criado para o projeto foi idealizado junto que com os catadores que foram ouvidos sobre as melhores funcionalidades para a bike adaptada com carroceria. O modelo único no país tem capacidade para carregar até meia tonelada, amassadores de latinhas e garrafas PET, sinalização de segurança, estepe, tudo para facilitar o dia a dia e garantir a segurança do trabalhador. 

Além da humanização da jornada de trabalho dos catadores, a Ciclolix surge como uma contrapartida ao costume controverso e pouco recomendável da tração animal para coleta, ainda muito utilizada no perímetro urbano de Alagoas.

“A Ciclolix oferece mais dignidade a uma classe trabalhadora de fundamental importância para a sociedade e retira os animais das ruas. Além oferecer menor esforço físico e maior segurança para quem a conduz e para o trânsito, ela aumenta a autoestima do catador e contribui para a valorização da profissão” define Lina Rosa.

SERVIÇO:

Projeto Relix - Alagoas
Espetáculo Oceano
Praia de Pajuçara
De 25 a 28 de setembro
Sessões diárias: 9h, 10h, 11h, 15h e 16h
Capacidade: 100 pessoas
Os estudantes serão transportados em ônibus do projeto.
Espetaculix


A partir de 4 de outubro, em indústrias e escolas.
Período do Relix: Até dezembro de 2018

Compartilhe: